Máquina de Sonhos

Um dia aqueles humanos cansaram de suas vidas medíocres; cansaram de seguir os mesmos caminhos todos os dias; cansaram de olhar e ver o mesmo céu cinzento; cansaram da falta de sorrisos, do excesso de lágrimas e de toda a pressão que a vida lhes causava.

Máquina de Sonhos [1]

Eles finalmente encontraram uma solução, uma máquina de sonhos. Ela não foi criada ou pensada, ela realmente foi encontrada. Seu funcionamento era simples:a cada vez que você olhava pra ela, um sonho aparecia. A máquina não criava o sonho. Ela apenas podia perceber o que estava ao seu redor e tirar o melhor de cada situação criando um sonho.

A máquina podia ver coisas que os humanos não podiam, ou melhor, que aqueles humanos não podiam. Ela não tinha barreiras, não tinha as mesmas visões turvas que eles tinham. Ela simplesmente se permitia sonhar, era o que ela fazia 24 horas por dia. Sempre um sonho diferente, uma fantasia nova, sempre indo a lugares não vistos, sempre encontrando coisas novas… ela nunca parava.

Ela serviu de base para aqueles humano começarem a ver as coisas diferentes e começaram a se permitir sonhar. Na verdade, os humanos aprenderam com a máquina. Aprenderam a não fechar os olhos e assim poderem ver os sonhos. A máquina os ensinou a viver de novo e devolveu aquela chama que faltava.

No entanto, a máquina, com o passar do tempo, talvez pela pressão daqueles humano, parou de sonhar. Ela começou a comporta-se como eles, a viver como eles, a enxergar como eles. Os olhos dela não brilhavam mais e, por fim, a máquina se tornou como aqueles humanos. Não por opção, mas tudo a forçou a fazer isso.

Um dia ela acordou e não podia mais sonhar. Ela olhava triste e lembrava dos tempos em que nada lhe era negado, dos tempos em que sua imaginação era viva. Conforme os dias passavam, mais triste ela ficava, pois sabia que aquilo ainda estava dentro dela, perdido em algum lugar.

A máquina agora era um adulto.

[1] http://2zai.blogspot.com.br/2013/05/maquina-de-sonhos.html