Efemérida

Ela acordou sabendo que morreria naquele dia, ninguém disse isso para ela, simplesmente ela sabia que estas seriam suas ultimas 24 horas. No entanto, isso não a deixou triste, na verdade, esse fato fez com que ela aproveitasse ainda mais cada momento.

“O passado é história, o futuro é mistério, o hoje é uma dádiva, por isso é chamado de presente.”

No começo ela estava um pouco apreensiva de fazer novas amizades, pois sabia que iria morrer rapidamente. Ela pensou, pensou e finalmente lembrou que não era a quantidade de tempo passado com as pessoas que importava, mas o como passamos esse tempo, uma boa conversa, um abraço, um carinho. Essas são coisas que valem no presente, no hoje, no seu ultimo dia.

Ela se perguntou quanto tempo ela havia perdido se escondendo, com medo de viver, pensando em um futuro que nunca chegaria. Amaldiçoando o ontem e sonhando com o amanhã enquanto o hoje passava. Mas isso não importava mais, não hoje.

Ela experimentou novas cores, sabores, cheiros e sensações. As coisas pareciam adquirir um valor diferente, únicos e maravilhosos. Ela se perguntava se esses valores eram pelo fato de ela saber que sua vida acabaria junto com o dia e que não haveria novas chances de experimentar.

Ela estranhou a maneira como as outras pessoas olhavam para ela. Elas olhavam como se ela estivesse exuberante. Isso era novo para ela. Seu sorriso era novo, seu olhar era novo, tão novo que ela não sabia dizer qual olhar mudou primeiro, o deles ou o dela.

O fim do dia trazia consigo o fim de sua vida. Ela pode compreender algumas coisas e se sentiu agradecida pela metamorfose. Bateu suas asas pela ultima vez e caiu na escuridão sorrindo.