Canção da tristeza

Ele sabia onde estava e o perigo que estava correndo. Ali ele era um alvo, não sabia exatamente o motivo mais a guerra já se arrastava por muitos anos. Ele toma todos os cuidados e chega até seu objetivo, um local mais afastado, com vegetação mais alta onde ele poderia se alimentar em segurança. No entanto lá o inimigo o avista e o captura.

                                                       Sou livre?

Ele é levado até as instalações inimigas onde é posto em uma cela sobre vigilância. Ele nunca havia tido contato com o inimigo. Nunca havia conversado com eles e nunca soube de alguém capaz de entender seu idioma primitivo. Ele tentou se comunicar, mas sem sucesso.

Eles o mantiveram encarcerado e alimentado. Não tentaram tortura-lo para obter informações, nada. Isso o atormentava, pois ele já estava lá ha dias e nada acontecera. Ele começava a pergunta-se qual seria seu futuro. Dias se transformaram em meses e a dúvida o atormentava.

Um dia cansado e triste com sua situação atual, ele se lembra de algo de sua infância, uma canção triste e começa a entoa-la. Cada nota era um aperto no coração, uma lembrança de casa, a dor pela falta dos companheiros. Ele juntou tudo e sua tristeza invadiu o ambiente na forma sonora.

Repentinamente, algo estranho aconteceu. Ele percebeu que seus captores o fitavam maravilhados. Eles não pareciam entender a canção, mas pareciam perceber o sentimento. Os olhos deles se enchiam de lágrima e por um momento uma conexão foi criada.

Os dias foram passando e mais atenção ele recebia quando cantava, mas isso foi tudo. Ele cantava e eles olhavam, o alimento continuava vindo, mas apenas isso. Ninguém falava quanto tempo o deixariam ali ou se existiam planos. Sua cela e sua canção eram as únicas coisas que ele tinha.

Os meses se transformaram em anos. A tristeza em angustia. Ele não conseguia mais comer. Não conseguia mais beber. Cantar não o alegrava. Sua memória o traíra e ele já não sabia mais os nomes dos filhos. E ele chorou como criança sozinha e com medo.

Seus olhos miraram o céu pela ultima vez, ele amaldiçoou aqueles que o separaram de sua família. Seu maior ódio era pelos sorrisos nos rostos deles enquanto ele cantava com toda a tristeza do seu coração.

Na cela ele cantou mais uma vez e sua ultima nota ecoou juntamente com o seu ultimo bater de asas.