Crueldade Animal

Era uma rinha imensa. Lá estava empregada a melhor tecnologia. Eles faziam parte da arena, mas não podiam sofrer danos como os demais que se degladiavam no ringue.

24b83-dominados2bpor2bla2bignoranciaVamos brincar?

Um dia os de cima descobriram o caminho “evolutivo” e superaram os de baixo. Eles dominaram, aprisionaram, machucaram e dobraram. Dobraram tanto que os de baixo não sabiam pensar como os de cima. Nem mesmo os de cima lembravam que um dia já foram iguais.

Os de cima viam e apostavam a vida dos de baixo, vendo o lucro crescer, cada vida uma cifra. Os de baixo não entendiam, cresciam como dava, matavam para não morrer. Darwin é cruel às vezes.

Os de cimas aprontaram cada espora, escolheram os mais violentos, ou melhor, eles quase que fabricaram os mais violentos. Os de baixo mostraram sua raiva e força. A rinha era seu momento de brilho. O grito, o sangue, a dor, a carne.

Os de cima viam aquela espécie brigar todo dia. Apostas altas no mercado negro. A lei proíbe, mas quem manda realmente sabe como contorná-las ou modificá-las. Os de baixo não entendiam a tecnologia usada para mantê-los presos. Sem grades aparentes, mas eficaz.

Os de cima através da tecnologia usada, enxergavam aqueles lá em baixo como coisas que não podiam fazer nada melhor: “Eles nasceram para brigar”. Os de baixo viam os próximos sendo engolidos. Todo dia alguém. Aquele era o único futuro possível. Eles atacam.

As apostas chegam a valores extremos. Não era uma vida por vez, agora eram várias, diariamente e de maneira distribuída. Os de baixo cresciam com seu destino selado ao nascer. Ainda filhotes já sofriam sem alimento e cresciam com medo, respondendo da única forma que aprenderam: Violência.

A tecnologia da rinha não era material. Ela agia diretamente na mente dos envolvidos. Fazendo os de cima verem que os de baixo eram bárbaros que estava ali porque queriam. Os de baixo olhavam para cima e continuavam a não entender como não podiam tocá-los.

A exploração se torna maior. Agora um show é criado. Alimentado diariamente com os horrores dos de baixo, para o deleite dos de cima. Com a falta de esperança do de baixo e a falta de empatia dos de cima. Com o diploma na mão do de cima e um vazio na mão do de baixo. Com o “jovem de classe media” de cima e o “traficante” de baixo.

A tecnologia era perversa e agora ela poderá ir mais além… Afinal, 16 é o suficiente?