Jardim

Eles olhavam para o jardim e apreciavam suas cores e formas enquanto colhiam sementes. Ela dava as ordens e ele obedecia. Ela olhava uma e dizia: “Pega aquela papai.” e ele ia. Esta era a ordem mais doce que ele jamais recebera.

                    “Somos poeira de estrelas.”{Carl Sagan}

Ela olhou para as flores e lembrou-se das fadas que cuidavam dos jardins, de como elas faziam o jardim ficar lindo e perguntou para o pai a que horas as fadas cuidavam do jardim, pois ela nunca as via.

O pai disse para a filha que aquele jardim específico não era cuidado por fadas, mas que o cosmos todo fazia com que o jardim fosse tão belo. Ela não entende direito e pergunta quem regava as plantinhas, para elas não morrerem de sede. O pai diz que as plantinhas vão crescendo aos poucos e a raiz vai mais fundo na terra procurando novos locais de onde pegar água.

Ela ainda não satisfeita pergunta quem colocava o perfume nelas. O pai diz que a planta cria seu perfume para fazer com que os animais venham até ela e a ajudem a criar novas plantinhas em outros lugares.

Ela começa a entender, mas ainda queria saber quem dava comida pra elas então. A resposta veio mostrando a relação do sol e solo com a planta e todo o trabalho necessário para que ela cresça forte e bonita. Nada era dado a ela, a planta tinha que gastar energia para conseguir energia.

Ela ainda meio triste por não existirem fadas naquele jardim vai dormir e sonha com as plantas trabalhando duro o dia todo. Acorda, corre e vai para o jardim. Fica por um tempo apreciando o jardim, suas cores, sons, cheiros e formas.

Ela pega com folha da planta com o maior cuidado. Ela nunca entendia porque falavam para ela não machucar os outros, sempre falavam que era errado, mas nunca explicavam como aquilo era errado. Mas ao olhar para planta e lembrar todo o trabalho duro que a planta teve pra chegar ate ali ela entendeu o cuidado que se deve ter com uma vida.

Ela sentiu os perfumes, pensou o quanto ela gosta do cheiro e lembrou-se da relação entre o cheiro e a possibilidade de criar novas plantinhas em outros lugares e entendeu por que aquele cheiro era bom pra ela.

Os sons que ela ouvia e as cores do jardim eram produto da interação de uma serie de elementos pequenos no jardim, cada um fazendo sua parte e ajudando um ao outro, pois assim todos podiam progredir, as fadas não precisavam fazer nada ali, cada um era a fada do outro.

Ela deu um sorriso e ficou feliz por poder apreciar as duas belezas do jardim. A beleza aparente e a mais profunda que explicava como o jardim crescia e o papel de cada elemento.

Ela levantou os olhos e olhou para o mundo, baixou novamente e olhou para o jardim. Levantou mais uma vez os olhos e viu o mundo e deu um sorriso.

Ela começava a ver a beleza do mundo sem as fadas.