La Seine

Apreciar o por do sol na beira de um rio, um lanche com os amigos, uma conversa sem compromisso. Quanto vale essas experiências?

         Viajar como hippie é bom…               mas com o cartão de crédito no bolso.

Naquela tarde cada um tinha uma história, cada um tinha um motivo para estar lá. Para a maioria deles, aquela era a primeira vez que se viam, mas por alguma razão tudo era tão mágico.

Os amigos o chamaram para o picnic. Era só passar no supermercado e comprar algo para beber, algo para comer e o resto era o calor humano. Todos se reúnem, cada um traz o que gosta. Uma apresentação rápida e todos começam a conversar. Tudo é novo, tudo é uma desculpa para outro papo.

Comida e bebida rolando. Os comentários são variados: eu gosto desse queijo; esse patê é bom; prova o pão; esconde o vinho a polícia tá passando. Tudo acontece naturalmente, comida, bebida, conversa e música.

Alguém pega os instrumentos e o batuque começa! Samba das antigas, lembranças de uma terra distante. A alegria contagia e o sol parece dançar. Seu reflexo nas águas adquire o movimento do rio e sua luz se esconde candidamente.

Como crianças ele comeram, conversaram, beberam e se conheceram. Como crianças eles esqueceram seus problemas e partilharam a felicidade das coisas simples. Dinheiro não compra aquela conversa, não compra aquele momento, não compra aquelas amizades. Mas, ainda assim, ele te leva pra sofrer em Paris.